(quando) o médico é o mon$tro






Mon$tro #1

Leia com uma ordem cronológica de um mês atrás.

Faltando pouco para o nascimento de Zoe e Mateo, fomos confirmar novamente os documentos e demais detalhes com o plano de saúde. Nosso plano privado cobre 90% do parto e todos os demais gastos que existam para o caso dos nossos múltiplos. No momento de conversar com a clínica, eles nos passam o orçamento e os 10% que por lei, contrato e modalidade do meu plano, temos de pagar. Mas desta vez, a secretária do alabado doutor estrela que até agora eu pintava, nos dá um outro papelzinho. Um pedaço de celulose transformada para anotar o nome do vosso médico e o seu orçamento a parte ao da clínica. Pensei: "Carambolas (uhhh, quase) eram 10% e agora isso?". Bom, fomos para casa com essa pulga atrás da orelha.

No fim de semana que vinha, fomos a uma festa, e um amigo nosso nos contou como foi sua passagem nessa mesma clínica, a mais conceituada em Lima porque somente atende a maternidade, especialista em partos, ginecologia. Ele nos comentou que após o parto, a secretária de sua médica, comentou que eles teriam de pagar, a parte, o "trabalho do médico", sendo que isto já estava dentro do plano de saúde. Meu amigo bate o pé e disse que não pagaria a "contribuição", óbvio! Pagou somente os gastos oficiais, que giravam em torno de R$ 1.000*. A secretária de sua médica queria R$ 5.500* a mais e por fora, sem nota fiscal.

Chamamos ao nosso plano de saúde e comprovamos a falcatrua que esfaqueia a condição de pais a beira de ter seus filhos. A prática sanguinolenta do médico que pensa que fazer isso pula sua alma. Esse médico deve acreditar que sua posição profissional de mil cursos podem ultrajar dessa forma a ignorância comum de pais. Que a cesariana sempre lhes proporciona mais dinheiro, eu sei, mas querer cobrar a mais e debaixo de nossos narizes? O mais sujo é que a clínica é conivente com o ato. Minha esposa e eu nos comunicamos com a clínica e dissemos o que estava passando e eles deram uma de "joão sem braço": "Olha, eu não sei, mas alguns médicos cobram, mas aí a senhora tem de conversar com ele". Eu acreditava que isso viria diretamente na nota fiscal da clínica, mas não. Avisamos ao plano de saúde e eles ficaram "surpresos", dizendo que até poderiam afastá-lo do staff do seguro privado.
É dessa forma que os mequetrefes atuam no Brasil? Confesso que isso e me deixou absorto e feliz, porque essa ação vai ter troco, e de uma forma Legal.

Não falei sobre isso antes porque iria publicar somente depois do parto...
Primeiramente, mudamos de médico devido a sua falta de ética (leia-se bandidagi). Pensamos que estávamos tratando com alguém que fez trocentos cursos, especializações e etc em prol da maternidade e bem-estar da mãe e da criança, mas não, ele fareja o seu dinheiro... Além do mais, quando Mateo foi dado como natimorto, ele tratou nosso psicológico como mais um número de pais que perdem um filho. Em seu frio registro... Não queria me nos abraçasse, mas somos seres humanos, ele não demonstrou nada mais que "foi uma tragédia".

Duas semanas antes do parto, conseguimos outro médico. O dr Jose Gabriel Negrón, um senhor que nos ouviu, que nos apoiou, que tratou a mim e principalmente a minha esposa como um ser humano.

Mulheres, para muitos médicos, vocês representam o auto do ano, a viagem da família deles, os ternos Hugo Boss... Para a vida, eles são malditos.


*Valores aproximados


Mon$tro #2





Ainda sobre os pagamentos extras que os médicos cobram pelas cesarianas, li um caso onde quase vomitei:

"Um dos casos mais emblemáticos é o da família da diarista Marlene Oliveira Santos Lopes, de 46 anos, que não tinha R$ 1,4 mil para pagar a cesariana da filha, Edna Tatielle Lopes. O neto de Marlene, Deryc, só nasceu depois que o MPF determinou ao hospital que fizesse uma cirurgia de emergência. Após esperar durante nove dias, Edna deu à luz um bebê com paralisia cerebral e hidrocefalia.". Texto completo aqui. Mais sobre Marlene e outros casos aqui.


Vocês mães devem ter mais conhecimento sobre esta prática e como ela é realizada no Brasil. A cesariana no Brasil virou o óleo que move a máquina mortífera sanguinária de muitos médicos... Desafio quem for a destilar Fernandinho Beira Mar de um médico escrotosanguedebrata como esse que espinafrou de forma humilhante a sra Marlene e que pôs seu filho, Deryc, em um estado onde a dependência será seu sobrenome. Com ou seu paralisia cerebral, Deryc é amado por seus pais, mas onde fica o respeito nessa história e entre várias outras...




Fontes: Estadão


Vale sempre recordar essa campanha




Trilha
Polícia - Titãs
Baader-Meinhof Blues - Legião Urbana
Proteção - Engenheiros do Havaií
Gimme Shelter - The Rolling Stones



8 comentários:

  1. Amigo Jorge infelizmente essa é uma prática muito comum aqui no Brasil, cobrarem por fora, além o que o plano já paga aos médico.

    vi que vc estava olhando meus post antigos no blog, se quiser trocar uma ideia ou conversar sobre algo especifico, tem meu e-mail (desireetapajos@yahoo.com.br) ou meu face (Desirée Tapajós) ou fan page das meninas (As trigêmeas de Manaus).

    Tri-beijos Desirée
    http://astrigemeasdemanaus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Nem sei o que dizer sobre isso, é lamentável pois isso acontece a todo o tempo e infelizmente todos fazem vista grossa....
    Bjus
    http://seraquevousermae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Fiquei triste e chocada com essa história do médico... Eu tive sorte, minha médica é realmente humana e cobrou exatamente o combinado, sendo que o plano de saúde arcou com boa parte. E ainda me convenceu a ter partos normais! Uma linda! né?
    Mas parabéns pela atitude de vcs. De trocar de médico e falar com o seguro saúde. Se todo mundo agir assim, uma hora essa patifaria acaba! beijos

    ResponderExcluir
  4. É uma industria e poucos são os que se salvam Fazem um belisssimo juramento quando se formam mas a maioria esquece no dia seguinte e só começa a pensar nas $$$$$...lamentável. Ainda bem que apareceu na vida de vcs uma das exceções...

    ResponderExcluir
  5. Que cachorrada Jorge, eu fico P%$# da vida quando leio/vejo algo assim!

    Que bom que vocês acharam um medico de verdade, um ser humano!

    Revoltada, ainda mais com as historias que li no link. Eu tive minha (desne? sei lá)cesárea pelo SUS, mas não desembolsei um centavo, e uns dias atrás veio uma carta falando do valor, não deu 700 com internação e tudo mais.

    Brasil, Lima... tudo igual, só mudam as pessoas né?

    Beijo querido, beijo nas tuas meninas também!

    ResponderExcluir
  6. Revoltante!!!
    Ainda bem que vai ter consequências!

    ResponderExcluir
  7. Jorge, por aqui acontece também, infelizmente. A diferença, acredito, seja que os próprios médicos falam em sua consulta que não fazem mais "parto pelo plano". Não existe uma moça de recados (como uma secretária) pra fazer isso. E por aqui, a justiça já concedeu a esses profissionais esse direito, se for da vontade de gestante ter uma "exclusividade" pelo atendimento daquele médico - independente do parto normal ou cesárea. Porém a nota fiscal será emitida. Agora o que funciona é preço de mercado. Lamentável...

    ResponderExcluir
  8. Infelizmente aqui no Brasil eles tem agido da mesma forma, a diferença é que eles já avisam logo na 1º consulta o quanto eles cobram por fora explicando que fazem isso pq plano de saúde paga pouco a eles pelo procedimento,é absurdo, acabamos ficando reféns de uma classe que necessitamos tanto.

    Beijos em vc e na Zoe!

    ResponderExcluir

Sigam-me os bons

Os escolhidos

Os escolhidos
Sim, porque eles nos escolheram.

Quem sou eu

Minha foto
Nasci em 1976 em São Paulo/Brasil - Brasil. Vivo em Lima/Peru. São-paulino, jornalista e pai de Zoe, minha amada filha com minha doce Katy, peruana de Lima. Sou um cara que escreve sobre experiências, crônicas e tudo que se relacionou com a gravidez múltipla dela e crescimento da filhota. Na semana 34 tivemos a ida de Mateo de volta ao paraíso. Zoe ficou para ilustrar nossa vida num 29/10/2013 e nasceu com 36 semanas. Uma prematurinha linda que cresce saudavelmente.

Seguidores