o/


O "o/" representa uma pessoa com o braço erguido, tipo que acena

Relógio 00:00
7h da manhã e o refrescante Pacífico ao fundo
E olha que eu nasci de 43 semanas. Por um erro no cálculo do médico, passei 3 semanas a mais curtindo o papel de pickles no liquido aminiótico. Nasci roxo como uma beterraba, faltou oxigênio e este, que vos escreve, quase morre. Para que tanta novela, não? Poderia haver nascido e pronto. Se conceber um bebê em 1976 era complicado, imagine antes... Quando não havia saneamento básico, hospitais... Na Idade Média... Na época das cavernas... Cruzes! Já é difícil engravidar, nascer então, eu chamaria de o toque divino. Não há outra explicação... Acredito que sejam toques divinos. Assim como aqueles que se perdem na primeira ou na última semana. Perdi um irmão, o do meio, prematuro. Perdi um filho, prematuro. Doi pacarai...
Difícil é ser fecundar.




  Relógio 00:01
Nisso, temos de comer para desenvolver. Já é difícil dar o peito, a fórmula... É difícil crescer longe do joelho roxo, a bocarra quebrada ou a picada do pernilongo. Tudo pulula em nosso corpo, somos umas mini bombas de alegria, cocô e xixi, elementos que são convertidos incrivelmente em alegria. E se meus pais morressem? E se eu fosse abandonado? Sei lá.
Difícil é dormir.


Relógio 00:02
Fomos bebês, já andamos, gritamos, damos dentadas... E seguimos dependentes dos pais hetereos, dos pais homossexuais, do tio, da tia, dos avós, seja quem for, mas que deem amor. Seguimos frágeis.
Difícil é crescer.

Relógio 00:03
A escola. Uma maravilha de lugar. Ou o inferno para outros. Eu dançava frevo entre os dois aí citados. Eu sempre estive nas classes com os melhores alunos. Mas na 5a série, me puseram com a escória do colégio. E cresci.
Difícil é não cabular aula e não sofrer bullying.


Relógio 00:04
"Ô, a Célia tá grávida". Acho que Célia foi uma das minhas primerias amigas adolescentes a ter um filho ainda no colegial, o pai também era do nosso grupo de amigos. Nasceu sua filha, saudável e feliz. Que fácil é conceber, difícil foi nascer. E crescer não posso opiniar, mas imagino, solteira, adolescente e sem emprego, não foi fácil. Não nos falamos mais depois do colegial. O pai da criança? Não sei. Havia outro amigo, que já comentei aqui, ele ainda no coelgial, teve três filhos com três mulheres diferentes num mesmo ano...
Difícil é manter o passarinho e a periquita quietos. É bom, vai! #partiuadolescencia (seja H ou M).


Relógio 00:05
Seguimos vivos. Talvez nossos pais, não. Nossos irmãos talvez não, também. Um dos grandes amigos de nossa família morreu quando eu tinha 13, meu pai e minha avó paterna quando eu tinha 18 anos (mãe e filho no mesmo ano...) e um tio querido aos 19.
Difícil é entender.


Relógio 00:06
E aí você é assaltado. Tem um revólver prateado apontado para a sua cabeça e um cara diz: "passa o walkman". Meu, uma pistola por um walkman?
Difícil é manter-se vivo longe violência.


Relógio 00:07
E aí você é assaltado de novo. Tem dois revólveres pretos apontados para a sua cabeça, um de cada lado da janela e um cara diz: "passa o carro". Meu, duas pistolas por um carro? Feliz por estar vivo.
Difícil é não haver pagado (eu no caso) a renovação do seguro do carro uma semana antes.


Relógio 00:08
E apaixonar... Seguiremos juntos até morrer velhinhos? Fieis ou não. Carnívoros ou vegetarianos? Teremos um filho? Filha? Vários? Mas acaba depois uma semana... Uns vêm, outros vão, uns têm, outros, não. Tenho uma amiga que teve um filho com o primeiro que viu numa festa porque já estavam na base 30. Suas amigas que tiveram filhos aos 25 e já que tinham namorado, metade está separada ou prestes a isso. A minha amiga base 30 vive feliz com o seu "primeiro que passou pela frente".
Difícil é ter, querer é inspirador.


Relógio 00:09
E olha, ela engravidou? Sim, não? Será tranquilo? Não? Nascerá? Nascerão?
Difícil é prever...


Relógio 00:10
Nasceu... Nasceram.... E os pais nesse papel? Busca o protagonismo? Deixar para a mãe? Dividir?
Difícil é não morrer...




Relógio 00:11
Nasceu... Nasceram.... E os pais nesse papel?
Difícil é viver, mesmo...

Relógio 00:12
E começa tudo de novo, mas novo, mesmo. Tudo novo, mas diferente. Eu queria ser eterno com minha família... Vou clonar minha Zoe, sou louco por ela.
Difícil é deixar de aprender. Ainda bem...



É muito difícil chegar a qualquer etapa, até mesmo a este blog.







Trilha
1 - Brian Eno
New World - Devotchka

9 comentários:

  1. Rapaaaaz... Não que os outros não tenham sido, mas este post está de uma inteligência belíssima.
    E eu to louco de dar uns mergulhos no Pacífico.
    Bj corrido nos três, intenso por aqui.

    ResponderExcluir
  2. A vida... é feita de ciclos.
    Também queria nunca deixar os que amo. Nem que eles me deixassem. Triste, né?!
    A vida...

    ResponderExcluir
  3. Hello \0/

    Eu nasci com 36 semanas... só fui saber pois achei a carteirinha do pré natal da minha mãe aqui por casa, perdida.

    Quanto eu tinha 14 anos uma amiga de 13 ficou gravida, na época um quase escândalo, hoje ela tá ótima, com um filho que vai fazer 14 anos maior que ela! minha primeira gravidez eu tinha 16.

    Amigo, a morte é algo que as vezes não entendo, mesmo sendo espirita é algo que as vezes me tira o folego e eu fico me perguntando.. porque?

    No dia 26 de dezembro passado o tio do meu cunhado, motoboy que entregava as fraldas e leites do João aqui em casa sofreu um acidente de moto, passou dias em coma e dia 1° de janeiro foi enterrado. Ontem fez um mês e eu ainda me pergunto o porque, mesmo sendo espirita, mesmo sabendo que de fato ele não morreu, apenas partiu desse plano.

    E tem meus filhos, meus anjos, esses eu nunca paro de pensar o porque de eles não estarem aqui comigo.

    Beijos família.

    ResponderExcluir
  4. Difícil não é ter, é conceber!!! Nascer? Morrer?
    Me lembro que quando eu tinha 16 anos meu avô faleceu, foi a primeira vez que vi alguém tão próximo foi ruim, é ruim, acho a morte injusta.... Tenho medo de perder e deixar quem eu amo.
    Bjus
    http://seraquevousermae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Ahhh Jorge, que lindo! Me fez parar pra refletir :)

    ResponderExcluir
  6. Difícil é parar de ler!! que postagem maravilhosa pra refletir, pra relembrar das gravidas na adolescencia, aqueles que acertaram "de primeira" e também daqueles que acharam que seria fácil assim, (tipo eu) só que não,kkkk. Relembrei meus momentos de arma na cabeça, dois assaltos também, o carro do meu marido (sem seguro) ja foi roubado também, me peguei pensando esses dias que é muito pouco viver apenas uma vida com aqueles que amamos, desejei a eternidade também, se bem que acredito sim na eternidade, mas não aqui nesse mundinho complicado! Lindo texto Jorge, daqueles pra ler mais de uma vez, parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Clap, clap, clap!! Adorei!!! Tava inspirado, né?! \o/
    No meu caso, conceber nem foi tão fácil...foi na sexta tentativa...nascer foi punk e educar...pelaaaaaa, é muito ralado!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Jorge!
    Esse é de imprimir, emoldurar e colocar na parede! Delícia de texto!

    Nasci de exatas 39 semanas, dia seguinte ao aniversário de seis anos da minha irmã. Nunca tive um aniversário só meu, e levei anos para gostar disso.

    Caiu um cisco no olho, enquanto eu deslizava em cada palavra...

    ResponderExcluir

Sigam-me os bons

Os escolhidos

Os escolhidos
Sim, porque eles nos escolheram.

Quem sou eu

Minha foto
Nasci em 1976 em São Paulo/Brasil - Brasil. Vivo em Lima/Peru. São-paulino, jornalista e pai de Zoe, minha amada filha com minha doce Katy, peruana de Lima. Sou um cara que escreve sobre experiências, crônicas e tudo que se relacionou com a gravidez múltipla dela e crescimento da filhota. Na semana 34 tivemos a ida de Mateo de volta ao paraíso. Zoe ficou para ilustrar nossa vida num 29/10/2013 e nasceu com 36 semanas. Uma prematurinha linda que cresce saudavelmente.

Seguidores